Escapadinha de aniversário surpresa - Alentejo e Espanha

/
8 Comments
Hello pessoal,

Como prenda de aniversário o Paulo ofereceu-me uma escapadinha de 2 dias, sem saber qual o destino a ir. Não foi totalmente surpresa, porque dado que agora somos três, era necessário organizar roupa e comida para o Alexandre (departamento só meu... o Paulo é muito despreocupado e claramente o miúdo iria andar de pijama).

A saída de casa estava a ser muito tranquila, sem pressas ou horários. De repente começa o Paulo a stressar, começo eu e acabo por me esquecer de dois artigos fundamentais: fraldas (sim, só levava 4 na bolsa do dia-a-dia) e o biberão para água ou leite. Lá fizemos uma mini paragem no hiper ao pé de casa e seguimos viagem.


Primeira paragem: Évora para almoçar... sushi!

O ano passado fomos almoçar sushi no meu aniversário, por isso o Paulo pensou em antecipar esse detalhe e almoçámos num "all you can eat" buffet. Chegámos com 1 hora ainda para almoçar, mas a oferta do sushi propriamente dito já não era muita e fresca. Mas comi todo e mais algum sashimi de salmão disponível (adoro e acho que acabo por dar despeja ao restaurante...), nigiri e umas adaptações de california rolls, e uns salteados de carne e legumes. O Alexandre experimentou as noodles e quis usar pauzinhos. É com muito orgulho que digo que teve sucesso uma vez :D

Chegámos ao Monte do Caneiro e com sol!

Seguimos viagem e chegámos ao local da nossa estadia, o Monte do Caneiro, perto da antiga aldeia da Luz (agora submersa pelo Guadiana). Um monte de turismo rural, daqueles tipicamente alentejanos, com muita bicharada, espaço amplos e um casal de caseiros muito simpático. Ficámos no quarto Guadiana com vista para o rio que o baptiza, muito confortáveis, só lamento as grades na janela que não deixavam apreciar a vista. Bem, mais uma razão para a aproveitar do exterior. Apanhámos cerca de uma hora de luz, com uma temperatura muito agradável, e aproveitei para experimentar tirar umas fotos em manual com a antiga Canon da Joana. Claro está que estão uma valente bodega mas ainda assim há uma discreta melhoria (ou não).





Jantámos na Adega Velha, um dos favoritos restaurantes em Mourão, e ao som dos cantares alentejanos, improvisados por alguns dos clientes ao balcão. O Paulo tem razão quando diz... daqui a 30 anos, terão a mesma sorte de jantar por lá e ouvir os cantares? Mas adiante, nós ouvimos, enquanto saboreávamos um cozido de grão com carnes seguida de uma encharcada para adocicar o paladar (jantámos os 3 por pouco mais de 20 euros, cozinha tradicional alentejana). O Alexandre revelou-se muito rabugento e pouco convencido em deixar os papás jantarem, mas prontificou-se muito rapidamente em ir para o colo da cozinheira conhecer os recantos do restaurante (se fosse ao ano atrás ficaria aterrorizada com a ideia, agora muito mais tranquila).

O B-Day: os espanhóis vs os alentejanos

O dia de anos começou com um pequeno-almoço típico da região, com bolo caseiro, pão alentejano, paio, queijo... enfim. Até o Alexandre se regalou com uma fatia de pão com queijo. Depois de barriga aviada, seguimos para Espanha em direcção a Jerez de Los Caballeros. Os espanhóis batem-nos quanto ao número e tamanho de igrejas em cidades pequenas. Apenas com alguns metros de distância estão a Igreja de São Miguel e a Igreja de São Bartolomeu, que infelizmente não consegui visitar. Conduzir na cidade é um stress, são ruelas apertadas, e nota-se bem que o pessoal conduz com demasiada despreocupação, pois não vimos um carro sem uma moça. Se calhar por isso o espanhol que estava estacionado ao nosso lado decidiu baptizar o nosso VW com um risco modesto... Foi o pior do dia. O melhor foi o restaurante. Almoçámos numa... igreja! Sim, no restaurante La Ermita, que era uma antiga igreja. Manteve alguns dos frescos e o altar (que não consegui perceber se era o original restaurado ou não). Até a ementa é apelidada de La Biblia. As plumas de porco preto estavam divinas ;)



Ainda passeámos um pouco por Espanha, mas como a chuva parecia estar sempre ao virar da esquina, regressámos ao nosso bom Portugal. Claro está que atestámos o carro (incrível como à mesma distância da fronteira encontramos uma diferença de 20 cêntimos por litro).



Com o Alexandre a dormir no regresso, apreciámos um pôr-do-sol um pouco gelado no alpendre a conversar sobre a vida...e a escolher onde ir jantar. O Paulo usa muito o Google, e escolheu o restaurante Sabores de Monsaraz. A anfitriã e cozinheira D. Isabel, é uma alentejana calorosa que nos recebeu de braços abertos. Preparou um banquete de sabores, desde os queijinhos da entrada, passando pelos tenros medalhões de porco preto, ficámos fãs. Perdi a cabeça e decidi acompanhar o jantar com um copo de vinho, sabendo que não poderia amamentar claro (e o Alexandre nem acordou por isso foi tranquilo). A D. Isabel foi muito atenciosa para com o nosso pequeno e ainda nos deu uns bons momentos de conversa. Um sítio que sem dúvida recomendamos a quem estiver para aqueles lados! 



Terminámos o dia exaustos de tanto passear e comer, mas felizes.

E acabou... podemos repetir?

No último dia aproveitámos um pouco mais a propriedade, para brincar com o Alexandre e vê-lo a explorar, brincar. Fascinado com os porcos, as galinhas, os gatos... tudo o que era ser vivo que mexia! Vá, nem as plantas escaparam. Mas infelizmente tivemos que deixar a calmaria do Monte do Caneiro para regressar à correria da cidade.



Antes de seguir viagem, aproveitámos para quase atolar o carro na antiga estrada de acesso à aldeia da Luz, almoçar no Centro Náutico de Monsaraz (espaço agradável já nosso conhecido de viagens a dois no passado) e ver a Barragem do Alqueva. O regresso fez-se com algumas paragens mas soube tão bem chegar a casa e adormecer o Alexandre tranquilamente no sofá. É bom passear mas é tão bom regressar a casa!






E foi este o meu aniversário. Sem festas ou ajuntamentos (isso virá depois), com os meus dois amores :)


You may also like

8 comentários: