Acho que é um tema pouco falado na maternidade. Provavelmente por vergonha. Mas é tão importante para a nossa saúde e bem-estar que decidi partilhar a minha experiência convosco.




O parto

Para quem já viu este video, sabe que o meu parto correu até muito bem. Foi rápido, com dor controlada e com o pai presente. Houve alguns detalhes menos bons como o facto de ele ter nascido com uma circular (tinha o cordão umbilical à volta do pescoço, apenas uma volta) e no momento da expulsão pediram-me para não fazer mais força. Com uma nauseá avassaladora no momento e o descontrolo respiratório (vá, e estava cansada também), não consegui, mantive a força para o expulsar e como a enfermeira estava a mantê-lo no lugar para remover o cordão, acabei por fazer um pequeno rasgão (laceração do períneo). Nada de mais, levei 3 pontos (foram a secos, sem anestesia mas um desconforto minor no meio daquilo tudo e com o meu consentimento). 

A incontinência apareceu

O pós parto corria bem mas na primeira semana comecei a aperceber-me que tinha incontinência associada ao esforço. Pensei ser normal, dado o desequilíbrio hormonal ainda presente. Infelizmente tive uma infecção urinária, e mais uma vez associei o sintoma à doença. O problema foi-se mantendo e agravando, estando por exemplo a lavar louça e a sentir umas perdas. Ou ter acabado de ir fazer o xixi, e ao regressar à cama, mais umas perdas. Pensei para comigo - bem, ainda não tenho 30 anos (só os fiz meses mais tardes), não vou ficar com este problema e vou falar com a obstetra. Na consulta de revisão de puerpério falei, sem vergonhas ou medos (se calhar é-me um pouco mais fácil por ser também profissional de saúde). Dada a minha laceração perineal (onde há efetivamente traumatismo extra ao músculo do pavimento pélvico), esta poderia ser uma das razões para a incontinência.

Treino dinâmico do pavimento pélvico

Fiquei com consulta de fisiatria agendada para iniciar "Treino dinâmico do pavimento pélvico" - desconhecia que havia toda uma panóplia de exercícios associados para além dos exercícios de Kegel. Fui à consulta e passadas 2 a 3 semanas iniciei as sessões com a terapeuta. Sessões individuais onde foi avaliado o meu "desleixo" muscular e onde aprendi os exercícios - atenção que para, quem não saiba, a avaliação da nossa força e controlo muscular é feita através do toque com introdução de dedos ou aparelho na vagina, cumprindo todas as medidas de higiene e conforto. Foram diversas sessões (penso que 10 a 12) até que a terapeuta achasse que já denominava o meu músculo. Passei então em aulas em conjunto, que consistiam em aulas de exercícios normais como abdominais, lançar uma bola, correr, em que tinha que contrair os músculos e relaxar no momento indicado pela terapeuta. Estive cerca de 3 meses (falhei algumas sessões porque eram às 8h e o Alexandre nem sempre dava boas noites), mas felizmente melhorei e muito. Não me recordo do último momento de incontinência e faço regularmente os exercícios de Kegel.

Aplicações para smartphone

A dica que a terapeuta me deu no início foi de utilizar uma aplicação para o telemóvel para me ajudar com os exercícios. Existem inúmeras para iPhone e Android, que cronometram o tempo da contração e descontração muscular, e têm inclusivé lembretes para não nos esquecermos de fazer os exercícios. Ajudou-me imenso no início. Hoje em dia já não uso mas tento exercitar regularmente este pequeno grande músculo tão negligenciado por nós mulheres.

Sei que também já há aparelhos no mercado que nos ajudam nesta tarefa, mas desconheço o seu impacto real. Alguém utilizou que queira partilhar a sua história, agradeço bem como o resto das mulheres e mães (sim, a incontinência urinária não ocorre só no pós parto).

Espero que tenham gostado de saber sobre esta parte de mim e que vos ajude a perder a vergonha e a ganhar força para pedir ajuda.

Kiss kiss,
Catarina R.


Hello pessoal,

 É já este domingo (19 de Fevereiro) que em Lisboa a Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos (APECATE) vai dinamizar a iniciativa "Cá vai Lisboa", com passeios gratuitos de 'tuk-tuk'.

 Segundo os senhores "tuk-tuk" é a sua forma simpática de alertar os seus clientes e população no geral para as alterações na lei face ao regulamento da sua atividade. Vai decorrer entre as 10:00 e as 17:00 nos Restauradores, Chiado (Rua Garret), Belém e alto do Parque Eduardo VII - procurem os "tuk-tuk" que têm um autocolante cor de laranja no limpa para-brisas, esses são os que aderiram à iniciativa.

 A verdade é que ainda não vi tudo sobre a regulamentação exigida, mas o facto de serem elétricos acho que foi um ponto muito positivo. Era horrível aquela barulheira toda e fumo. Muito mais confortável para todos e clena. E vocês são contra ou a favor dos "tuk-tuk"?


Kiss kiss,
Catarina R.
Olá pessoal,
 
 Neste momento andamos a explorar a linda cidade de Paris, mas deixámos tudo programado para não deixarem de ter publicações. Como vídeo da semana, desafiaram-me a gravar o que trouxe na minha nécessaire e assim o fiz.
 
 
 Tive que fazer alguma pesquisa e retirar algumas dúvidas com "viajantes experientes", pois isto de viajar de avião tem muito que se lhe diga no que toca a fazer as malas... Há muitas condições e limites ao que vocês podem levar, e aproveitei este vídeo para partilhar com vocês as dicas que obtive e os meus indispensáveis :)
 
 
 O que acharam? Têm mais alguma dica a acrescentar?
 Convido-vos a seguirem as nossas redes sociais para mais detalhes desta viagem (links na barra lateral).
 
Beijinhos,
Joana R.